Viver devagar (n)as férias, sem trabalhar? Sim, é possível!

Há algum tempo atrás li uma notícia que dava conta que os moradores da ilha norueguesa Sommar queriam abolir a rigidez dos horários.

São pouco mais de 300 habitantes e querem prescindir dos relógios porque os consideram desnecessários. Vivem 69 dias do ano sob a luz contínua do Sol.

Um símbolo da anulação dos horários previsto na iniciativa consiste em que os visitantes pendurem os seus relógios na ponte que separa a ilha de Tromso. É um gesto de imitação de outros locais no mundo nos quais os turistas deixam cadeados.

Inspirada por esta notícia e estando alguns de nós a iniciar um período de férias deixo um desafio: pendure o seu relógio. Sim! Tire o seu relógio. Deixe que seja o seu ritmo (e não o relógio) a bússola para os seus dias de férias.

Aceita o desafio?

A vida fast, descontrolada e em piloto automático em que vivemos

Os dias de trabalho são cada vez mais longos e não são suficientes para fazer face a todas as tarefas. Respondemos a emails antes de nos deitarmos e ao fim de semana. Atendemos aquela chamada telefónica, durante o jantar, porque poderá ser importante. Os nossos projetos pessoais são substituídos por necessidades mais urgentes e quando paramos constatamos que não temos tempo nós. A nossa família fica, muitas vezes, para segundo plano, restrita aos fins de dia, sábados e domingos. Temos pouco tempo disponível para os nossos filhos.

Vivemos num mundo do Culto da Eficiência, fazendo tudo em prol da produtividade. Avaliamos os nossos dias com base no quão produtivos foram e não em quão gratificantes.

Acreditamos que se vivermos de uma forma acelerada, temos tempo para fazer tudo. Fazemos isto porque pensamos que estamos a economizar tempo e a contribuir para a melhoria da nossa vida.

Lamento desiludi-lo: é uma ilusão. Estamos apenas a perder tempo.

Mudança de paradigma

Nesta sociedade dominada por um ritmo frenético, será possível afastarmo-nos do modo “piloto automático”, desacelerar e viver de forma mais consciente?

As estatísticas vão ao encontro desta mudança de paradigma. De acordo com os dados do Randstad Employer Brand Research 2020, perante uma decisão de emprego, os portugueses já não consideram a estabilidade de carreira como o fator principal, destacando-se em segundo lugar, dos cinco principais fatores, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (52%), na tomada de decisão para o seu trajeto profissional.

Na mesma linha, de acordo com um estudo conduzido pelo CEA da Católica Lisbon School of Business and Economics, de Maio de 2019, 82,2% dos portugueses desejaria adotar um estilo de vida Slow, no seu dia a dia, reconhecendo que este permitiria o aumento dos níveis de bem-estar, felicidade, otimismo, realização pessoal, perceção de saúde, estilo de vida saudável, equilíbrio na vida, tempo livre, sucesso e satisfação com a vida, criatividade e capacidade de concentração, bem como a diminuição dos níveis de stress.

Viver devagar (n)as férias, sem trabalhar? Sim, é possível!

Ansiamos tanto por estes dias de férias. Queremos estar com os nossos amigos e familiares. Ler aqueles livros que fomos adiando por falta de tempo. Brincar com os nossos filhos. Visitar aqueles locais incríveis que fomos conhecendo pelas partilhas nas redes socais dos nossos amigos, revisitar os nossos locais preferidos, jantar no restaurante que nos recomendaram. Retomar as nossas corridas que abandonámos há meses, começar a meditar… E, com certeza, descansar. No intervalo destas atividades ou enquanto registamos o momento com a nossa câmara fotográfica do telemóvel, teremos ainda tempo para espreitar o nosso email. Afinal estamos de férias e “temos tempo para tudo”.

Faça um favor a si próprio: não rentabilize as suas férias!

Vários estudos, citados por Celeste Headlee, demonstram que quando uma pessoa passa por um período de férias verdadeiramente afastada do stress do trabalho, regressa ao ativo com mais energia, energia essa que se vai refletir no seu desempenho profissional.

Tem, igualmente, impactos positivos na sua saúde física, fortalecendo o seu sistema imunitário, diminuindo a probabilidade de adoecer.

Acredito que pode estar assustado com esta ideia de “tirar o pé do acelerador”, mas confie em mim.

6 atitudes para desacelerar durante as férias

Quero apresentar-lhe 6 atitudes para desacelerar durante as férias:

1. Foque-se na sua intenção.

O primeiro passo é direcionar a sua atenção para o seu propósito. Defina para si como quer que sejam as suas férias. Como se quer sentir?

2. Esteja offline mais tempo.

Sabia que, consultamos, em média, o telemóvel de forma automática a cada 10 minutos?

Eu sei que temos a ideia de que precisamos e ter sempre o telemóvel sempre à mão. Para além de telefonar, permite-nos tirar fotografias, é o nosso personal trainer das férias, o nosso guia para as meditações que queremos fazer,… um verdadeiro canivete suíço como lhe chamou Daniel Levitin, conceituado neurocientista. São aparelhos muito poderosos, que usamos a qualquer hora, para fazer tudo o que necessitamos e, ainda, usarmos nos momentos de inatividade. Enviamos mensagens de texto enquanto atravessando a rua a caminho da praia, atualizamos e-mails enquanto estamos apanhar sol, e enquanto almoçamos com amigos, verificamos, de forma discreta, o que nossos outros amigos estão a fazer, nas redes sociais.

A minha sugestão é: defina horários para estar online e períodos para consultar o telemóvel. Resista à tentação de consultar o seu email. Pode alterar as configurações do telemóvel para deixar de ver quantos emails não lidos tem na caixa de entrada, desativar as notificações das redes socais.

Coloque o foco na intenção que definiu para as suas férias.

Em si mesma, a tecnologia não é boa nem má. Tudo depende da utilização que fazemos desta e do seu impacto na nossa vida.

3. Reserve tempo para si.

Cuidar de si é fundamental para uma saúde mental fortalecida. Recordo os impactos positivos acima referenciados, não só na nossa saúde, mas também no nosso desempenho profissional, quando regressarmos. Respeite o seu ritmo e os seus limites.

4. Reserve tempo para os seus.

Reserve tempo para a família e privilegie tempo de qualidade e atenção plena.

5. Seja flexível.

Adapte-se às circunstâncias daquele dia e daquela hora. Viva o momento.

6. Foco no essencial: menos, mas melhor

Tem muitas coisas planeadas para fazer nas férias e o seu tempo voa? O importante não é fazer mais e mais rápido, mas fazer menos, com foco no essencial e de forma simples.

O problema não é a falta de tempo, mas a dificuldade de fazer escolhas.

Que caminho escolhe seguir nestas férias?


Artigo escrito por:

linkedin

Sofia Pereira

Fundadora da Academy4You e Academia Pais Sem Pressa.
Autora do conceito de Gestão Consciente do Tempo.
Presidente da Slow Movement Portugal

Feedback
5 de 5 estrelas. 19 votos.
O meu feedback:

Leave a Reply